O Verão está a chegar ao fim e termina uma temporada que foi, de uma forma geral, forte e com boas surpresas.

3º terço

Kamisama Dolls – 7
Mayo Chiki! – 6
Blood-C – 6
Dantalian no Shoka – 8
Ao no Exorcist – 8
Baka to Test to Shoukanjuu Ni – 7

Estas reviews são a minha opinião e não representam a opinião geral dos membros do blog animette. Notas de 1 (mínimo) a 10 (máximo). Pode conter alguns spoilers.

Kamisama Dolls

História (7) – Numa aldeia existem uma espécie de mechas que são controlados por algumas pessoas especiais, os Shikis. O Kyouhei era um shiki até o dia em que enfrentou um massacre provocado pelo seu amigo Aki. O seu Kami passou para a sua irmã mais nova, a Utao, e ele foi estudar para Tóquio. Em Tóquio ficou instalado em casa de uns antigos membros da aldeia.

No entanto, os problemas foram atrás dele. O Aki, que estava aprisionado, fugiu e vai atrás dele. A Utao junta-se ao irmão para o proteger e mais e mais shikis vão aparecendo. O Kyouhei não consegue fugir dos problemas da aldeia.

A história é mais interessante do que possa parecer à primeira vista. Tem bastante acção, algum humor e algum drama também. É pena que a série tenha sido tão curta, pois ficaram coisas por explicar e a história ficou um pouco em suspenso.

Animação (7) – A animação é boa, com detalhe nos movimentos e nos combates. O design é muito normal e tenho que dar uma penalização pelo exagero do peito da Hibino. Vai ter dores de costas um dia. No entanto, a série está livre de ecchi.

Som (8) – Gostei muito da música de abertura, foi um registo diferente do habitual e funcionou muito bem com as imagens.

Personagens (7) – Para a maioria das personagens temos direito a flashbacks e explicações do desenvolvimento da sua personalidade. Os personagens principais são o Kyouhei, a Utao e a Hibino. O Kyouhei não está muito mal para heroi principal, não tenho grandes queixas. A Utao é o elemento moe e tem uma personalidade engraçada, embaraçando-se facilmente e deixando-se levar. A Hibino é a pior das personagens, não passando do interesse amoroso do Kyouhei. O Aki é uma personagem bastante interessante, gostava de ver o que lhe acontece depois do momento em que a série termina. Há mais umas quantas personagens mais secundárias.

Entretenimento (7) =>Total 7

 

Mayo Chiki!

História (5) – A Subaru é o mordomo da Kanade, a princesa da escola, e faz-se passar por um rapaz. Esta é uma condição essencial para que ela continue a servir como mordomo e o Jirou quase a põe em causa quando descobre o seu segredo.

Segue-se a típica história meio romântica, meio de comédia com algum ecchi à mistura. Na maioria dos episódios temos o esforço por disfarçar o verdadeiro sexo da Subaru. Noutros temos o aproveitar do facto de o Jirou ter ginofobia para as raparigas se rossarem nele.

Não tem nada de novo, não tem enredo para além do básico e a comédia é demasiado baseada em ecchi.

Animação (7) – A animação não tem nada de extraordinário, sendo o típico de animes de comédia. O design é agradável.

Som (7)

Personagens (6) – O Jirou tem ginofobia. Só isso é motivo suficiente para não se gostar dele, sendo que desmaia ou sangra do nariz quando uma rapariga lhe toca. Tirando essa fraqueza, é o gajo default: gentil, boa pessoa, bla bla bla. A Subaru apesar de se fazer passar por rapaz é bastante feminina. Parte rapidamente para a violência e embaraça-se com facilidade. É muito popular entre as raparigas da escola, apesar de não falar com ninguém, e tem direito a dois clubes de fãs. A Kanade é a princesa mandona a fazer de conta que é mázinha. A Usami é tsundere. A Kureha pratica wrestling e dá porrada ao irmão todos os dias, o que tem o seu quê se assustador. Por fim, a Nakuru é uma otaku prevertida que anda de óculos e orelhas de gato e adora BL, estando sempre a imaginar cenas homosexuais entre o Jirou e a Subaru.

Entretenimento (5) =>Total 6

 

Blood-C

História (6) – A Saya é a filha do padre do templo da vila. É uma menina muito doce e simpática e vai à escola com os amigos. Durante a noite, frequentemente ela tem de combater uns monstros que apenas podem ser mortos pela sua espada sagrada – NOT. Na verdade, é tudo um palco montado para resolver uma aposta.

Os primeiros quatro episódios são francamente maus. Acontecem exactamente as mesmas coisas, repetindo-se ela a sair de casa a cantar (o que é uma irritação), ir à escola em que todos têm sempre o mesmo tipo de discurso, ir para casa, beber um cafe e comer um guimauve e depois ir lutar contra um monstro. Para entusiasmar a coisa, a partir do quinto episódio começam a morrer personagens importantes e seguem-se episódios de pura violencia gratuita. A história é pouco natural, consta que propositadamente, para que no último episódio faça tudo sentido.

Mais do que desiludida por ser uma série Blood, fico mais desiludida porque esperava mais das Clamp. Não trás nada de bom à série Blood e não seria sequer memorável se não fosse por ser uma série Blood.

Animação (6) – A animação é muito fraca. Os cenários são monótonos, repetitivos e sem detalhe. As personagens são pouco detalhadas também e os seus movimentos simples. A animação melhora um pouco nas cenas de combate e teve uma melhora significativa no último episódio. O design não é nada de especial. Não gostei do cabelo da Saya, é demasiado volumoso e frequentemente mal desenhado.

Outra característica é o gore presente em toda a série em quantidades industriais, mas censurado – pelo menos na versão não DVD.

Som (6)

Personagens (6) – A Saya que nos é apresentada nesta versão está longe de ser a Saya fria e cheia de estilo do filme original. A Saya é durante a maior parte da série doce até mais não, um pouco inocente e muito tonta. Todas as personagens têm duas personalidades, mas nenhuma é realmente digna de nota. O verdadeiro vilão é fácil de adivinhar e devia ter sido mais explorado em vez de se terem perdido quatro episódios no inicio com a introdução. Está ainda implicita a presença do Watanuki (xxxHolic) sob a forma de um cão e gostava que ele tivesse tido um papel mais frequente na série.

Entretenimento (6) =>Total 6

 

Dantalian no Shoka 

História (8) – Neste mundo existem coisas que não deverião ter sido criadas. Algumas delas são phantom books, livros com poderes espantosos, alguns deles perigosos.

O Sir Arthur era um comandante da aviação com um futuro brilhante, mas que abandonou a sua carreira quando receber o aviso de que o seu avô tinha morrido. Herdou do avô a sua casa e a sua biblioteca. Na biblioteca da mansão encontrou Dalian, a Biblioteca Negra de Dantalian. Esta rapariga é uma biblioteca, poir encerra livros dentro de si, e o Arthur passa a ser o seu Guardião da Chave, com a qual ele tem acesso aos livros dentro dela. Os livros que ela contem são, claro, phantom books. Com a Dalian, o Arthur vai andar em busca de phantom books perigosos para os selar dentro de Dalian ou mesmo destruí-los.

Para além de Dalian, existem outras Bibliotecas de Dantalian.

A série é episódica, contando em cada episódio a história de um phantom book. Passa-se por volta dos anos 20 em Inglaterra e tem um tom muito interessante, meio gótico meio de detectives. As histórias dos livros são muito interessantes e algumas com finais chocantes. Fiquei muito bem impressionada com esta história. Gostaria de ver uma segunda temporada.

Animação (7) – A animação é agradável e fluída e o design das personagens é agradável também. No entanto, não gostei do uso de imagens quase reais, do género fotografia alterada, para o exterior das casas.

Som (9) – Banda sonora lindíssima, muito apropriada ao tom da história.

Personagens (8) – A Dalian é mais uma para a colecção de raparigas pequenas, super inteligentes e mandonas. Gostei muito dela, pareceu-me uma versão melhorada da Victorique (Gosick), melhorada porque nunca perde o seu lado mordaz. O Sir Arthur é o perfeito cavalheiro e consegue sê-lo sem se tornar numa personagem plana e irritante. Temos poucas personagens extra, entre elas uma rapariga cheia de vida que voltou dos Estados Unidos, um eterno apaixonado por todas as meninas bonitas e dois pares de Guardiões de Chave e Bibliotecas.

Entretenimento (8) =>Total 8

 

Ao no Exorcist 

História (8) – Ao no Exorcist é um shounen sobre exorcistas. Como shounen que é, tem os elementos característicos de um. Isso inclui um heroi com problemas de exclusão a principio mas que é estupidamente forte, uma organização em que os membros lutam contra um mal, um grupo de adolescentes que estão a aprender as técnicas num ambiente de escola, entre outras coisas.

O Rin e o Yukio são gémeos e filhos de uma humana e de Satã, o chefe dos demónios. No entanto, os poderes demoníacos só se manisfestaram no Rin.

Quando o Rin descobre tudo isto, junta-se a uma escola de exorcistas em que descobre que o seu irmão nõ só já é um exorcista há anos como também é seu professor. O Rin vai fazer amigos enquanto aprendem a lidar com os demónios, mas tem que esconder a sua ascêndencia.

A história está bem construída, sendo fácil simpatizar com as personagens e ficar interessado no que vai acontecer a seguir. Tem algum humor, mas o principal é mesmo o enredo que vai para além da vida de escola e ganha dimensão com a organização do Vaticano e os mistérios do nascimento dos gémeos. Proporciona um bom entretenimento.

Animação (9) – O melhor da série é sem dúvida a qualidade da animação. Os movimentos, o estilo, os cenários, as cores, tudo está muito bem trabalhado.

Som (8)

Personagens (8) – As personagens são bastantes, havendo tanto adolescentes aprendizes como exorcistas já formados. O Rin e o Yukio são gémeos mas são bastante diferentes, sendo o Rin precipitado e activo e o Yukio calmo e ponderado. A Shiemi é fofinha e dá um toque feminino à história. Entre os outros amigos temos três monges e uma tsundere. Outras personagens dificeis de ignorar são a Shura, de proporções exageradas e roupas diminutas, e o pai adoptivo dos gémeos.

Entretenimento (9) =>Total 8

 

Baka to Test to Shoukanjuu Ni

História (7) – Depois da primeira temporada de Baka to Test, fiquei bastante ansiosa pela segunda. Infelizmente, fiquei um pouco decepcionada com o resultado.

Na segunda temporada continuam as aventura do mesmo grupo. O formato adoptado é muito mais de pura comédia e pouco enredo, com excepção dos últimos episódios em que houve alguns flashbacks muito interessantes.

Pareceu-me que as piadas não funcionaram tão bem como na primeira temporada, principalmente na primeira metade da série. Prolongaram demasiado a questão dos rapazes a tentarem espiar o banho das raparigas, tornando a épica batalha numa batalha longa e arrastativa. As piadas em relação á confusão de sexos com o Hideyoshi ficaram repetitivas, mas das da Minami e da Mizuki a castigar o Akihisa por olhar para as outras raparigas chegaram ao ponto de irritarem.

No entanto, gostei da atenção que deram à Minami, para variar um bocadinho da Mizuki.

Animação (7) – Fiquei menos impressionada desta vez com a animação.

Som (8)

Personagens (8) – As personagens são as mesmas, não havendo nenhuma introdução relevante. Temos algumas evoluções a registar nas relações entre eles, nomeadamente entre o Yuuji e a Shouko e entre o triângulo Akihisa, Minami e Mizuki.

Entretenimento (7) =>Total 7