Chihaya Ayase é uma rapariga popular e bastante bonita que tem um estranho hobby – Jogar Karuta. Apesar de ser um jogo apenas jogado no Japão não é muito popular na cidade de Tokyo onde poucos sabem jogar e menos ainda se interessam pelo jogo. Apesar de estar já no secundário, foram poucas as oportunidades que ela teve para jogar, visto que nunca consegue formar um clube nem juntar-se a um clube onde joguem Karuta com regularidade.

No dia de entrada de novos estudantes na escola, Ayase reencontra-se com Taichi, um amigo de infância que também jogava Karuta, só que agora perdeu a maior parte do seu interesse pelo jogo e não está muito disposto a juntar-se de novo a Ayase para formar um clube. Enquanto ambos vão no comboio, Ayase recorda-se do momento em que começou a apaixonar-se pelo jogo e de Arata, o rapaz que despertou a paixão pelo jogo a Ayase e que tinha o sonho de se tornar um mestre de Karuta.

 

Não sei se hei-de chamar a isto Karma ou qualquer coisa do género, mas de certeza que “algo” ou “alguém” está a gozar comigo. Uns 10 minutos antes de ver este episódio tinha afirmado o seguinte ” A Madhouse as vezes desilude um bocado, e a maioria das vezes a culpa é da animação meio manhosa”…Bem agora a Madhouse fez tudo MENOS desiludir!

A história é simples, uma rapariga que quer voltar a jogar um jogo que tanto adora, bastante simples até e muito por onde pegar. Pelo primeiro episódio repara-mos que as coisas não são tão fáceis quanto parecem e que a relação entre as personagens é mais complexa do que simples amigos que têm o mesmo hobby, portanto e pelo que deu para ver, parece-me que vamos ter algumas surpresa ao nivel do plot e que esta série ainda vai ter muito para dar.

Em aspectos mais técnicos, como já referi a animação não é razoável (quero dizer que é melhor que a média das animes da Madhouse – não falo claro de Summer Wars – mas não é uma coisa do outro mundo). Os cenários são interessantes e o character design não é nada que nunca se tenha visto, mas gostei e acho que se adapta ao estilo de série. Outro aspecto que quero referir a é Opening, que me deixou com “agua na boca” e foi o que me levou a sacar o episódio.

Acho que promete, não digo que vá ser uma coisa espectacular, mas sem dúvida que irá valer apena acompanhar.