O Kazuma e o seu irmão mais novo mudam-se para uma vila no campo. O irmão dele tem uma constituição fraca e o pai acha que a vida no campo lhe fará bem, portanto enviou os dois à frente e eles ficarão numa estalagem até que o resto da família se possa juntar a eles.

O Kazuma já esteve nesta vila quando era criança e tem vagas memórias de uma rapariga com quem brincava. As suas memórias não lhe serviram de grande orientação, pois acabou por se perder na floresta enquanto perseguia o chapéu do irmão. Uma rapariga loura ajuda-o a encontrar o caminho de volta e heis que se dá uma queda em que ele a beija sem querer e a melhor amiga dela aparece do nada e desata aos berros. Claro que estas duas estão na turma dele.

Já devo ter mencionado que não gosto nada quando uma história começa com uma queda. É tão clichê que doi. Então o beijar sem querer é tão pouco original que me espanta como continuam com essa ideia.

Dois rapazes chegam ao campo. O mais novo é demasiado afeminado para ser o centro do harem, essa sorte cabe ao mais velho. Temos duas raparigas, uma nova e loura já com um beijo dado e uma velha amiga de infância que ainda não apareceu mas vai aparecer de certeza. E claro, mais umas quantas raparigas bonitas, porque só duas é pouco. Harem típico.

A animação não é má. O design é típico de animação de eroge e lembrou-me Tayutama. Contem também com alguns panty shots. Notou-se algum esforço em desenhar cenários bonitos e esmeraram-se bastante no autocarro. Mais uma vez o principal é de difícil distinção de todos os outros rapazes de harem. Porque é que acabo sempre por ver estas séries? Eu admito, é por causa do design das personagens femininas. Há que aceitar o facto.