Se não há muitas series brilhantes nesta temporada, pelo menos há muitas consistentes. É raro dar a mesma nota a uma série em todas as categorias mas desta vez aconteceu bastante.

Parece-me que peguei em mais séries do que o habitual, não admira que me tenha visto aflita com o tempo para as acabar😄 Mas, realmente, desta vez não houve nenhuma suficientemente má para eu largar. Desejo-vos a todos umas boas festas e um excelente 2011!

3º terço 

Amagami SS – 7
Arakawa Under the Bridge x Bridge – 7
Hakuouki 2 – 6
Shiki – 8
Shinrei Tantei Yakumo  – 7
Soredemo Machi wa Mawatteiru  – 7

 Estas reviews são a minha opinião e não representam a opinião geral dos membros do blog animette. Notas de 1 (mínimo) a 10 (máximo). Pode conter alguns spoilers.

Amagami SS

 

História (7) – Esta série começou muito bem com um romance entre um rapaz e a sua senpai divertida e malandra. Mas depois faz reset e recomeça com uma nova personagem. Não me posso queixar muito, eu estava avisada. Cada rapariga tem direito a 4 episódios em que é contado o seu arc com o rapaz. Depois passa para outra como se fosse um jogo. E sinceramente, não gosto muito deste formato. Não é que acredite que só existe uma pessoa única e certa para cada um de nós, simplesmente é deselegante tratar uma série como um jogo, a personagem masculina tem tendência a ser genérica e quando me afeiçoo a um casal não gosto de o ver novamente separado.

São seis raparigas com personalidades diferentes e, portanto, com caminhos que conquista diferentes. No entanto, todos são bastante previsíveis, exceptuando talvez o primeiro e o último. Uma coisa a dizer a favor é a forma como todas as raparigas vão aparecendo, mesmo fora das suas arcs, como que para que não nos esqueçamos delas. Outra é que a história consegue ser por vezes atrevida e adulta sem que haja ecchi.

Animação (8) – Os pontos mais altos da série são a sua qualidade de animação e o design. A animação é muito cuidada para o tipo de série que é. Os cenários não são muito variados, resumindo-se muito à escola e a lugares comuns, mas são desenhados com detalhe e realismo.

Som (7) – Boas vozes, musica de abertura demasiado pop mas adequada e até se esmeraram ao fazer uma canção diferente para o fecho para cada rapariga, tendo a seiyuu de cada uma a cantar. Seria um 8, se não fosse pela voz de uma das meninas: a Hiromi Konno a dar voz à Sae. Uma voz fão fininha, tão baixinha e com tanto mel que até doeu ouvir…

Personagens (7) – Tendo em conta que o Junichi só demonstra alguma personalidade no primeiro arc, vou simplesmente classificá-lo como harem boy, simplesmente sem aquela parte de ser muito bonzinho e elas gostarem todas dele porque ele é gentil. É apenas genérico. Das meninas, a primeira é a Morishiama-senpai e é das melhores personagens: é cómica, sem vergonha e sexy. A segunda é a Kaoru e tem o papel de melhor amiga de infância: é a típica brincalhona que diz o que pensa, que às vezes trata mal e que tem o drama da dificuldade de transformar a amizade numa relação. A terceira é a Tae e tem o papel de kouhai tímida: falta de personalidade, irritante até mais não, tentativa de moe. A quarta é outra kouhai mas esta é toda decidida: sports girl, preocupações ecológicas, tudo muito desinteressante. A quinta parecia aborrecida mas acabou por ser surpreendente: é a rapariga que tem tendência para engordar mas que não consegue evitar comer. A sexta também foi uma boa surpresa: a que parecia a menina perfeita, delegada de tudo e mais alguma coisa, tem uma personalidade escondida.

Entretenimento (7) =>Total 7

  

Arakawa Under the Bridge x Bridge

 História (7) – Ainda mais do que na primeira temporada, na sequela de Arakawa Under the Bridge não há uma história. A série trata apenas do dia-a-dia dos estranhos habitantes da margem do rio com motivos puramente cómicos e de personalidades estranhas. Apenas para quem aprecia a loucura das séries da Shaft.

Animação (8) – A animação tem qualidade mas sem surpreender. Não é uma série em que haja muito movimento e os cenários de todo não mudam. Quanto ao design há que dar o mérito pela originalidade.

Som (7)

Personagens (7) – As personagens são as mesmas da primeira temporada, havendo apenas uma nova introdução e um maior tempo de antena para o Last Samurai e o Aniki e a sua Abelha. Não há muito a dizer, uma vez que continua com as mesmas características da prequela.

Entretenimento (7) =>Total 7

  

Hakuouki 2

 

História (6) – Se na primeira temporada Hakouki não foi muito convincente, na segunda foi bastante menos. Na sequela temos os companheiros da primeira muito mais dispersos, tendo cada um seguido o seu caminho. É dado menos enfase às relações entre eles, com excepção do Hijikata e da Chizuru, e a história foca-se mais na guerra. Os acontecimentos são frequentemente narrados como um documentário histórico, apenas com a parte sobrenatural a tirar a credibilidade. Aprofundar a parte política poderia ter sido boa ideia se não tivesse sido feita de uma forma tão aborrecida. Não é mau, é simplesmente desinteressante. Mesmo o romance entre o Hijikata e a Chizuru é bastante inverosímel, apesar de previsível.

Animação (8) – A animação manteve o mesmo estilo que na primeira temporada. O design mudou de homens bonitos vestidos à japonesa para homens bonitos vestidos à militar ocidental.

Som (7)

Personagens (6) – As personagens são as mesmas da primeira temporada, não sendo muito mais desenvolvidas que na prequela.

Entretenimento (6) =>Total 6

  

Shiki

  

História (10) – Finalmente! Finalmente uma história de vampiros de verdadeiro terror! Quando uma estranha família chega à aldeia perdida nas montanhas, estranhas e múltiplas mortes começam a acontecer. E alguns dos mortos voltam à vida, sedentos de sangue. A introdução em que ainda não se compreende o que se passa, a descoberta, a incredulidade dos habitantes e a sua posterior monstruosa aceitação, tudo está contado de uma forma absorvente e imprevisível. Existem muitas personagens e portanto a história também é contada segundo diferentes pontos de vista. Nenhum “bom” é demasiado “bom” para que algo lhe aconteça. Foi das melhores histórias de terror em anime que já segui.

Animação (6) – Como não há bela sem senão, Shiki tem o defeito de não ter um visual apelativo. Não só a animação é mediana e os cenários monótonos e pouco desenvolvidos, como o design não é nada bom. As caras são demasiado magras, os penteados demasiado esquisitos e não gostei os olhos vampíricos, apesar da ideia parecer boa.

Som (7)

Personagens (9) – Muitas são as personagens bem desenvolvidas durante a série e todas elas têm personalidades coerentes e bem pensadas. É dificil de dizer quais são as principais, mas o médico e o monge têm papeis muito interessantes e contrastantes, sendo um a ciência e a repulsão e o outro a religião e a aceitação. O Natsuno é uma vítima complicada mas não é o heroi que esperamos.

Entretenimento (9) =>Total 8

  

Shinrei Tantei Yakumo

 

História (7) – Esta série parecia bastante prometedora mas acabou por ser uma desilusão. O Yakumo tem um olho especial: é um olho vermelho com o qual ele consegue ver fantasmas. Claro que alguém com este poder só pode ter tido uma infância complicada com imenso traumas para o atormentar. Ainda assim, ele mantém uma atitude despreocupada e objectiva à medida que vai resolvendo vários casos sobrenaturais que um policia lhe vai dando. Em todos estes surge uma nova peça para a história geral, relacionada com o passado.

As pequenas histórias acabaram por não ter grande terror, pois adoptaram a prespectiva de que os fantasmas são apenas pessoas e normalmente até são bonzinhos. Já a história geral, com um mauzão e uma mázona, acabou por ser muito desinteressante. Não é mau, mas esperava melhor.

Animação (7) – A animação é agradável e fluída, mas o design é muito geral e sem qualquer tipo de brilho. O próprio Yakumo parece apelativo a principio mas torna-se demasiado monótono.

Som (7)

Personagens (7) – O Yakumo tem a mania que faz as coisas sozinho, mas de todo não é verdade. A Haruka é uma boa rapariga, bastante corajosa, e que o segue para todo o lado. O seu tio é um monge cheio de bons conselhos. O seu amigo policia trabalha demais mas tem uma esposa compreensiva. O policia aprendiz é medricas e devia ter escolhido outra profissão. A jornalista cai do ar e não se percebe bem qual era afinal o seu papel na história.

Entretenimento (7) =>Total 7

 

Soredemo Machi wa Mawatteiru

 

História (8) – Os especialistas em slice of life fazem-no novamente: uma série que parecia sem muito interesse ao principio e que se torna engraçada de se ver. É um slice of life sobre um bairro, com muito poucas personagens. Tudo começa com duas raparigas que trabalham num maid café de uma senhora idosa, café esse que é apenas um café normal onde nem sequer há chá mas em que as empregadas estão vestidas de maid. A partir daí, são episódios random sobre as colegas, sobre uma delas gostar de um rapaz que gosta da outra, sobre o professor, sobre a família da principal ou sobre a dona de uma loja de antiguidades do bairro. Tudo com o humor característico da Shaft.

Animação (8) – Esperava mais de uma série da Shaft, mas a animação tem qualidade. Por vezes as linhas ficam demasiado simples mas o movimento é sempre contínuo. O design não tem nada de extraordinário.

Som (8) – Gostei bastante do trabalho dos seiyuus. Este estúdio claramente que gosta muito da voz da Chiaki Omigawa que tem nesta série o seu primeiro papel principal com este estúdio. Ela tem, realmente, uma voz bastante distinta.

Personagens (8) – Os slice of life, pela sua ausência de história, vivem das suas personagens. Estas têm que ser interessantes, mesmo que representem uma vida normal. E é isso que conseguem com a Arashiyama, uma rapariga normal mas bastante engraçada. Mais interessante que ela, o irmão dela é perfeitamente normal e, no entanto, engraçadíssimo. A única personagem de que realmente não gostei foi o professor.

Entretenimento (8) =>Total 8