Se não há muitas series brilhantes nesta temporada, pelo menos há muitas consistentes. É raro dar a mesma nota a uma série em todas as categorias mas desta vez aconteceu bastante.

Parece-me que peguei em mais séries do que o habitual, não admira que me tenha visto aflita com o tempo para as acabar😄 Mas, realmente, desta vez não houve nenhuma suficientemente má para eu largar. Desejo-vos a todos umas boas festas e um excelente 2011!

2º terço 

Nurarihyon no Mago – 8
Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai – 9
Otome Youkai Zakuro – 8
Tantei Opera Milky Holmes – 5
Yosuga no Sora  – 8 

 Estas reviews são a minha opinião e não representam a opinião geral dos membros do blog animette. Notas de 1 (mínimo) a 10 (máximo). Pode conter alguns spoilers.

Nurarihyon no Mago 

 

História (8) – O Rikuo é neto do General dos Youkais do clã Nura, mas como a sua mãe é humana, ele é meio humano meio youkai. O General está velho e fala-se da sua sucessão, mas nem todos querem apoiar o Rikuo devido ao seu lado humano. Por seu lado, o Rikuo também não mostra interesse em tornar-se no novo líder, pois quer ser sempre humano. No entanto, as forças das circunstâncias levam-no a aceitar a sua natureza, o seu lado youkai e as responsabilidades.

Na escola, o grupo de amigos do Rikuo interessa-se muito pelos youkais, não desconfiando que ele é um deles. Entre os amigos contam-se uma onmyouji (exorcista) e uma rapariga que se apaixona pelo lado youkai do Rikuo.

A forma como as história é contada é totalmente ao estilo de shounen. Amigos, inimigos, um segredo a esconder e umas quantas batalhas. Já tem uma segunda temporada anunciada.

Animação (8) – A animação é bastante standart, sem grandes falhas ou qualidades a apontar. O design das personagens é interessante em alguns casos, havendo vários tipos de youkais. A versão youkai do Rikuo e a Yuki-onna são os mais populares.

Som (7) – Tem uma boa banda sonora divertida.

Personagens (7) – O lado humano no Rikuo é bastante standart, tendo a típica personalidade de heroi à força que resiste a princípio. O seu lado youkai compensa com sendo um líder bastante kick ass. Os youkais que o rodeiam dividem-se entre os que se lhe opõem e os que o tentam proteger. Os bons e os maus, os que querem proteger os humanos e os que os querem destruir, é à volta disto que andam os youkais. Os amigos humanos passam a vida quase a descobrir o segredo – quase, claro. Alguns são apenas comic relifs, sendo a apaixonada e a onmyouji as boas execpções.

Entretenimento (8) => Total 8

  

Ore no Imouto ga Konnani Kawaii Wake ga Nai 

 

História (9) – O Kyousuke nunca se deu bem com a sua irmã mais nova Kirino. Mas quando um dia descobre um eroge dela, a sua relação muda completamente. A Kirino é uma menina perfeita: excelentes notas, desportista e bonita o suficiente para trabalhar como modelo. Tem, no entanto, um segredo embaraçoso: é uma otaku. É completamente viciada em anime e eroges, principalmente eroges de incesto com irmãs mais novas.

Que se desengane quem julga que uma premissa destas apenas pode levar a uma história de incesto. Não é nada disso.

A história centra-se em duas coisas: o mundo otaku e a relação entre os irmãos. É sabido que os otakus adoram ver séries sobre eles próprios e esta é um bom exemplo. Jogos, animes, maids cafes, Akihabara, está tudo lá. A relação entre os irmãos vai-se desenvolvendo não para o incesto mas para uma saudável relação entre famíla. E é uma evolução gradual, muito bem conseguida. O humor está fortíssimo e foi sem dúvida a série de que mais gostei nesta temporada.

Animação (10) – A animação e o design são excelentes. Não é uma série de acção, nem de ecchi. Os movimentos, as cores,… está tudo muito perfeito.

Som (9) – Excelente trabalho dos seiyuus.

Personagens (9) – A Kirino é, sem dúvida, das melhores personagens otakus, representando as raparigas otakus que adoram anime, mesmo os mais preversos, porque é kawaii. O Kyousuke é um irmão fantastico, que defende a sua irmã mais nova dizendo que os eroges são dele. Temos ainda uma calmissima amiga de infância do Kyousuke, a melhor amiga da Kirino que também é modelo e que não consegue aceitar o hobbie da Kirino, e duas amigas otakus. A Kuroneko também é uma bela personagem otaku, sempre de cosplay negro e a tentar ser mais das trevas do que realmente é.

Entretenimento (9) => Total 9

  

Otome Youkai Zakuro

 

História (8) – Num Japão em que youkais e humanos vivem lado a lado, ainda que com muita desconfiança, é formada uma secção especial do exército para lidar com assuntos relacionados com espíritos. Esta secção é formada por três humanos e quatro jovens meio-youkais. Á medida que a história evolui, vão resolvendo vários casos, as relações entre eles vão-se desenvolvendo e um velho inimigo do passado vem para buscar a Zakuro, a mais poderosa das meio-youkais.

É uma história bem contada e bem pensada. Mais direccionada para as raparigas, com as evidentes cenas românticas, segue o padrão de pequenas histórias que conduzem a uma história maior. Gostei bastante da história e tem muitos momentos kyaaa =p

Animação (9) – Grande aposta na qualidade da animação. As cores estão lindas e os cenários detalhados. O design das personagens é original e bem conseguido.

Som (8) – Gostei da banda sonora e das vozes. É um efeito muito engraçado quando as meninas meio-youkais cantam antes da batalha.

Personagens (8) – As principais personagens estão dividas em três equipas, que poderiamos dizer que são casais se não houvesse um three-some. A Zakuro e o Agemaki são o casal principal, ela forte e com mau feitio, ele cobarde e galã. Ainda assim, vão acabar por se dar bem e se mudarem um ao outro. A Susukihotaru é tímida, a perfeita dama, e é protegida pelo Riken, um homem de poucas palavras. O Ganryuu não tem mãos a medir para lidar com as duas gémeas, Bonbori e Hoozuki, que lhe são totalmente dedicadas e são extremamente extrovertidas, o que em público pode dar alguma confusão.

Entretenimento (9) => Total 8

 

Tantei Opera Milky Holmes 

 

História (4) – A história resume-se a um mundo em que algumas pessoas têm poderes mágicos: toys. Os toys conferem um tipo de abilidade à pessoa, como força, o poder de controlar máquinas, o poder de criar ilusões, etc. As pessoas que os possuem dividem-se em dois: os detectives e os ladrões. As quatro Milky Holmes eram as estrelas da sua escola até ao dia em que perderam os seus poderes e se tornaram numas inúteis.

A pior série da temporada. O que parecia uma história infantil sobre quatro magical girls que perdem o seu poder e o tentam recuperar afinal é uma sequência de episódios random em que as quatro correm de um lado para o outro causando o caos e as personagens que as rodeiam causam o caos com elas. Quase não há verdadeiros inimigos, apostam unicamente na comédia, mas uma comédia de personagem tonta, e há ecchi e tentativas de moe em todos os episódios. Uma desilusão.

Animação (6) – Animação muito fraquinha, cheia dos clichés de anime. O design ora tenta ser moe ora tenta ser ecchi.

Som (6)

Personagens (5) – Tentaram dar personalidades diferentes e cómicas a cada uma das quatro Milky Holmes e o resultado é um grupo que na vida real nunca se poderia dar bem. A Sheryl é a tonta convicta, a Nero tem um mau feitio muito pouco educativo, a Cordelia tem claramente problemas psicológicos e a Herc é tão tímida que não se houve. Pobres dos detectives históricos em que elas são inspiradas. Os inimigos não são melhores: à parte da líder Arsene, que é totalmente cordeiro em pele de lobo (sim, ao contrário de propósito), conseguiram reunir um dos grupos de vilões mais irritantes de sempre, quase culpa exclusiva do narcisista tarado (a sério… mamilos impossivelmente saídos a toda a hora?).

Entretenimento (5) => Total 5

 

Yosuga no Sora

História (8) – Dois irmãos gémeos, um rapaz e uma rapariga, regressam sozinhos e órfãos à vila onde passavam férias em crianças. Agora têm que recomeçar a vida só os dois.

Yosuga no Sora tem um formato muito semelhante a Amagami SS e para esta eu não estava avisada: depois de conquistada uma rapariga o tempo simplesmente anda para trás. É um harém de quatro meninas: duas irmãs, uma amiga de infância e a própria irmã gémea. Talvez por já estar habituada a Amagami SS, não me incomodou tanto a reviravolta, mas naturalmente que fiquei a gostar mais do primeiro casal. Enquanto Amagami SS tem conquistas num mundo escolar normal, aqui as situações são mais dramáticas. Dramas familiares e traumas infantis estão na base das histórias das raparigas e o nosso herói está lá para as ajudar a recuperar.

É uma série arrojada, incluindo o tema complicado que é o incesto. O ecchi é muito abundante, mas bem feito: não estamos sempre a ver cuecas ou mamas ou poses sexys, o ecchi surge nos momentos em que também surge na vida real. Enquanto que, nas séries normais, uma conquista é um beijo e as personagens começarem a namorar, nesta temos imagens mais intimas. Se formos pela definição “it’s not hentai until I see nipple”, então é hentai. Mas eu prefiro não ir por aí.

Existe ainda um arc extra no final de cada episódio, esse arc totalmente virado para comédia, o absurdo e ecchi.

Animação (8) – A animação é bastante fluida e o design muito bonito, baseado no jogo que lhe deu origem.

Som (8)

Personagens (7) – O Haru para personagem principal de um harem não está muito mal. Ainda assim, a sua personalidade não muda muito consoante o arc e faz o o papel de rapaz bonzinho que faz tudo para ajudar a sua menina. As raparigas também são bastante normais, à parte da Sora, a irmã gémea, que é uma constante causa de problemas.

Entretenimento (8) =>Total 8