O monte Fuji, ou o Fuji-san como lhe chamam os japoneses, é o maior monte do Japão, estando o topo a 3,776 m de altitude. É uma montanha sagrada, um dos símbolos do Japão, e num dia claro chega a ser visível de Tóquio. Uma pessoa que se aproxima dele o que espera ver é isto:

Não foi de todo isto que eu vi! =(

Escolhemos ir de propósito a um dos locais mais turísticos do sopé do Fuji-san só para o ver. Quando chegámos a Kawaguchifuji, junto ao lago de Kawaguchi, nem sabíamos onde estava o belo do monte. Olhávamos em volta e tudo o que víamos eram montes – bonitos, mas muito mais baixos de o Fuji – o lago e nuvens! Nuvens e nuvéns! Nem percebíamos em que direcção estava o Fuji! Fuji-san, doko desu ka??

E o que se faz em Kawaguchifuji sem Fuji para ver? Bem, dá-se uma volta pelo lago (de barco também dá, mas era um bocado caro), come-se uns gelados, vai-se às termas, vê-se uma estufa e bebe-se sake.

No dia a seguinte, pela manhã, continuava-se sem se ver o Fuji-san. Fomos a uma loja de conveniência comprar o pequeno-almoço, desanimados. Sentámo-nos num banquinho a comer e, de repente, lá estava ele! Todo não, mas lá estava ele! Com o topo tapado pelas nuvens, pelo menos via-se que era enorme! Estávamos tão entusiasmados por ver finalmente o Fuji que nem vimos o que tinha aproximado de nós: o maior vespão que alguma vez vi na vida! Que medo! Quando o vi nem consegui gritar, foi mesmo uma escapadela rápida com o pequeno-almoço – para quem achar que estou a exagerar, googlem os vespões assassinos japoneses!

No comboio viu-se melhor o Fuji-san, mas infelizmente não se conseguiu ver o topo. Pelo menos deu para perceber o espantoso da paisagem: montanhas de um lado, depois uma planície com lagos e, de repente, um cone gigantesco e isolado que se vê de todo o lado.

Espero algum dia voltar ao Japão e que nessa altura consiga ver o Fuji-san como deve ser. Por agora, sinto como se ele não existisse, assim uma espécie de miragem por entre as nuvens, algo que toda a gente aponta e diz que é lindo e espectacular mas que eu olho e não vejo lá nada!