Mais uma temporada que termina, que contou com séries excepcionais e outras que nem tanto. O meu tempo para dedicar a ver anime diminuiu consideravelmente, pelo que vi menos séries esta temporada e ainda desisti de duas. A ver ser para o Verão a coisa se compõe =p.

1ª metade

Seikon no Qwaser – desistência
Mayoi Neko Overrun! – desistência
Hakuouki – 7
Angel Beats!  – 9
Shin Koihime Musou ~ Otome Tairan – 6

Estas reviews são a minha opinião e não representam a opinião geral dos membros do blog animette. Notas de 1 (mínimo) a 10 (máximo). Pode conter alguns spoilers.

Seikon no Qwaser

Desistência ao fim de 3 episódios.

Esta é uma série que saiu em duas versões: censurada e não censurada. A quem insistir que quer ver, por favor veja a não censurada, porque a censura é de tal forma forte que as batalhas não se percebem! Porquê? Bem, é muito ecchi. Mesmo muito e principalmente nas batalhas. Estamos a falar de uma história em que o poder vem de… chupar mamas (peço desculpa pela linguagem, mas é mesmo assim). E quando maiores forem as mamas, melhor. Um power-up à shounen que coloca a série algures entre o ecchi e o hentai. Ora, uma vez que passam metade da batalha nisso e que isso é censurado, nem se percebe logo o que estão a fazer e metade da batalha desaparece.

As personagens são totalmente banais, irritou-me desde logo a tonta de seios gigantes, e a animação é razoável mas ñ o suficiente para compensar a estupidez de uma história destas. O estilinho dark mauzão do principal também não ajudou.

 

Mayoi Neko Overrun!

Desistência ao fim de 5 episódios.

Esta série é tão típica, tão típica, que até dói. Rapaz a viver sozinho – check. Tsundere apaixonada pelo pincipal – check. Loli – check. Neko mimi – check. Gajos tarados para comic relif – check. Tonta de mamas gigantes – check. Episódio nas termas – check. Total ausência de história – check. É um típico harém, carradas de ecchi, uma muito particular ausência de história e umas personagens irritantes até mais não. A tsundere é demasiado tsundere, ao ponto de sempre que diz algo quer dizer o oposto. A loli é todo um novo nível de anoying, típica riquinha que quer forçar as pessoas a serem seus amigos e com uma voz de fazer doer a cabeça. A neko mimi é a calada e misteriosa, nem por isso menos típica. Bah. Demasiados deja vu’s e ainda por cima mal feitos.

 

Hakuouki

 

História (7) – Uma rapariga, filha de um prestigiado médico, procura o pai que recentemente desapareceu. Vestida de rapaz para não dar nas vistas, envolve-se numa luta nocturna e é salva por um grupo de Shisengumi que a levam para o quartel-general. Como ela viu algo que não devia ter visto, mantém-na como que presa. Mas ela depressa os conquista e passa a fazer parte do grupo, ajudando os feridos e levando mensagens.

Esta história tenta misturar factos históricos com sobrenatural. Se por um lado temos samurais nas lutas do final na era de Tokugawa – algo que deveria ser melhor explicado, se bem que suponho que todos os japoneses conheçam bem a história, nós estrangeiros é que não, por outro temos demónios – oni – e um medicamento que transforma os humanos em meio-demónios. A temporada acaba de forma um pouco súbita, está anunciada a sequela para o Outono.

Senti-me demasiado a apanhar do ar nas cenas de batalhas históricas, acho que explicam pouco do que se está a passar e acabei por não me emocionar minimamente com as preocupações deles. Sobra a parte sobrenatural, que está a tender para uma espécie de vampirismo.

Animação (8) – Pela quantidade de homens bonitos – mas bonitos à séria, dignos de um shoujo – tive receio de um demasiado óbvio reverse harém. Vá lá que não aconteceu, e o design até é agradável, se bem que irrealista. A animação bastante é cuidada, embora fosse melhor se os movimentos nas batalhas fossem mais desenvolvidos.

Som (7)

Personagens (6) – Gostaria de personagens mais realistas, mas até pelo visual delas dá para ver que era realmente pedir demais. A Chizuru é demasiado boazinha e todos gostam demasiado dela. Fora isso, tudo é perfeitamente suportável. São guerreiros, portanto temos os mais tempestivos, os mais calculistas, os mais brincalhões e os mais secretos. Era de louvar personalidades mais profundas, mas a ver vamos como se desenvolvem na próxima temporada.

Entretenimento (7) => Total 7

 

Angel Beats!

História (9) – Angel Beats passa-se num mundo depois da morte. É uma espécie de dimensão onde um grupo de pessoas vai parar antes de reencarnarem novamente no mundo. Este grupo de pessoas tem uma particularidade: estão revoltados com Deus. A sua vida foi injusta, cheia de sofrimento e hipóteses perdidas e portanto não querem reencarnar. Então lutam.

Este mundo é formado por uma série de regras: ir à escola, obedecer aos professores, etc etc. (Claro que, convenientemente, só vêm parar a este mundo jovens que morreram ainda estudantes). Para que não desapareçam, o que têm a fazer é desobedecer às regras. Mas há alguém neste mundo que tenta que as regras sejam cumpridas, alguém a quem chamam de anjo.

O que começa por ser uma batalha estranha por desobedecer a tudo, acaba numa história de introspecção, de aceitar o que são e o que lhes aconteceu e seguir em frente. O que começa por ser acção desenfreada acaba por ser um drama comovente.

Há também bastante humor na história, incluindo um delicioso humor negro derivado do facto de não poderem morrer – já estão mortos – não importa o que aconteça ao corpo.

Animação (9) – Uma animação fluida, associada a um bonito design e a cenários belos e com bonitas cores faz desta série, em termos visuais, umas das melhores da temporada.

Som (8) – O trabalho dos seiyuus é bom e a banda sonora também. Uma vez que a história inclui uma banda, há  uma forte aposta na música e pelo menos duas das insert songs da banda são muito agradáveis (My Song e Alchemy). Boa escolha na voz forte da Iwasawa.

Personagens (8) – As duas personagens principais da história começam por ser o Otonashi, o recém-chegado, e a Yuri, a líder do grupo. O Otonashi tem uma boa personalidade para personagem principal, um misto de moralidade e responsabilidade com uma tendência para o humor. A Yuri é uma verdadeira líder, inteligente e rápida, um pouco arrogante mas preocupada com o grupo. O anjo acaba por se juntar ao leque de personagens principais, sendo uma rapariga pequena, calada e honesta. Dentro dos restantes membros temos personalidades que vão das mais sérias às mais loucas.

Entretenimento (9) => Total 9

 

Shin Koihime Musou ~ Otome Tairan

História (6) – Na terceira série de Koihime Musou a história tem uma melhoria em relação às anteriores. Dá a sensação que as duas primeiras temporadas foram uma preparação para esta, para que o público conheça as personagens antes da verdadeira história. Não que a história seja nada de especial. Apenas um mauzão com um livro mágico e uma saga para recolher ingredientes para fazer voltar ao normal uma personagem que se estava a transformar em gato. Mas pelo menos, há um propósito na série, o agrupamento final de todas as personagens está um culminar engraçado e, o melhor de tudo, há bastante menos ecchi estranho. Ainda existem muitas referencias a yuri e a seios gigantescos, mas dentro do normal.

Animação (7) – A animação mantém-se semelhante às temporadas anteriores.

Som (6) – Continuo a achar que a Rin Rin devia ser muda.

Personagens (4) – As mesmas de sempre, desta vez todas juntas na mesma série. Poucas novas introduções, e não muito felizes.

Entretenimento (6) => Total 6