Issei é um rapaz no seu segundo ano no Highschool e nunca teve qualquer experiência com raparigas, apesar disso é bastante pervertido e só pensa no dia em que conseguir tocar nas mamas de uma rapariga.
Um estranho encontro ao final da tarde leva Issei a passear no parque com uma jovem e inocente rapariga que se revela não ser bem o que ele esperava e a consequência é a sua morte…mas Issei é ressuscitado por Rias, uma rapariga da mesma escola de Issei que na verdade é um poderoso demónio, agora ele terá de obedecer às suas ordens porque tecnicamente a partir do momento em que ela o ressuscita, Issei passa a pertence a Rias.

 

Um harem que não parece ser nada de especial. História simples e já viste mais que uma vez, penso que não vai haver grandes surpresas.

As personagens são um pouco cliché mas estou curioso para conhecer melhor a Rias e as raparigas que a ajudam, mesmo assim como já disse não estou à espera de grande coisa.

A animação não é nada de especial mas já vi harems piores portanto acho que mesmo assim para a categoria em que a encaixo diria que não está mal, o desenho é simples e já muito visto, os cenários mesmo assim estão detalhados e bem feitos.

Resumindo, é uma anime genérica sem um futuro muito promissor, se forem fãs do género harem ou simplesmente quiserem ver raparigas com peitos gigantes a lutarem em trajes menores dêem uma vista de olhos, pode ser que por milagre aconteça alguma coisa de interessante na história.

Hasegawa Kodaka acabou de se transferir para uma nova escola, e por causa de um mal entendido ele foi considerado pelos colegas um delinquente e agora não consegue fazer amigos porque todos o temem. Yozora é uma rapariga aparentemente fechada sobre si e isolada de todos os outros colegas de turma, mas que um dia é apanhada a ter uma conversa bastante divertida e alegre por Kodaka, só que Yozara estava a falar com um amigo imaginário…após a conversa entre ambos, Yozora tem a ideia de criar um clube para todos aqueles que não têm amigos e se sentem sozinhos, um local para criar e construir amizades – Rinjibu ( The Neighbours’ Club).

Logo no primeiro dia de existência do clube, Sena, uma rapariga que é extremamente popular e bonita aparece a porta do clube a dizer que quer fazer amigos. Porque será que uma rapariga tão popular quer fazer amigos e será que Kodaka e Yozara aceitaram ser amigos dela? Como será o futuro para estes jovens isolados da sociedade que agora se juntaram…

 

A história não parece ser nada de especial apesar de achar o conceito interessante, e acho que é isso que me vai fazer ver, aliás se isto fosse mais sério era capaz de dar uma boa história, mas bem não se pode ter tudo.

O character design é agradável, mas vê-se que a um nítido esforço nas personagens femininas (como em mais de 70% dos harems) mas gostei do aspecto das personagens. A personalidade de cada uma até agora parece engraçada e deve dar algumas boas piadas mas acho que não irá passar muito disso.

A animação achei estranha, em certas alturas parace ser razoável em outras uma porcaria, mas foi apenas o primeiro episódio, pode ser que melhore.

Acho que é mais um típico harem com uma rapariga para todos os gostos, portanto ou muito me engano ou não será nada de especial. Aconselho apenas em quem tenha vontade de ver um harem ou a quem como eu achar piada ao conceito, de resto acho que é uma anime a dispensar.

Uma versão alternativa das OVAS com o mesmo nome Tamayura, conta a história de Sawatari Fu, uma rapariga cujo pai fotografo morreu quando ele era ainda muito nova mas que deixou um marco tão grande na vida dela que ela própria deseja ser fotografa tal como o pai.  Apesar de ser meia distraída e desastrada, Fu tem um imenso talento para fotografia que é reconhecido não só pelas amigas e pela família, mas também por uma famosa fotografa que a inspira a seguir o seu sonho.

 

Era a série desta temporada que mais esperava ver, visto que gostei bastante das OVAS, e até agora não desiludiu.

Quem espera algo cheio de acção ou com uma história do outro mundo, então Tamayura não é o que estão a procura, Tamayura é uma anime bastante calma com personagens interessantes e cenários lindos onde a isto tudo se junta uma banda sonora repleta de música calma, uma excelente anime para relaxar e passar um bom momento descansados.

A animação é razoável, penso que as OVAS estavam melhor animadas, mas ainda só foi o primeiro episódio e de qualquer maneira uma falha ou outra na animação não vão estragar a série visto que não tem cenas onde ela seja fulcral.

Portanto se procuram um slice of life relaxante do estilo Aria, Tamayura é uma excelente opção!

Chihaya Ayase é uma rapariga popular e bastante bonita que tem um estranho hobby – Jogar Karuta. Apesar de ser um jogo apenas jogado no Japão não é muito popular na cidade de Tokyo onde poucos sabem jogar e menos ainda se interessam pelo jogo. Apesar de estar já no secundário, foram poucas as oportunidades que ela teve para jogar, visto que nunca consegue formar um clube nem juntar-se a um clube onde joguem Karuta com regularidade.

No dia de entrada de novos estudantes na escola, Ayase reencontra-se com Taichi, um amigo de infância que também jogava Karuta, só que agora perdeu a maior parte do seu interesse pelo jogo e não está muito disposto a juntar-se de novo a Ayase para formar um clube. Enquanto ambos vão no comboio, Ayase recorda-se do momento em que começou a apaixonar-se pelo jogo e de Arata, o rapaz que despertou a paixão pelo jogo a Ayase e que tinha o sonho de se tornar um mestre de Karuta.

 

Não sei se hei-de chamar a isto Karma ou qualquer coisa do género, mas de certeza que “algo” ou “alguém” está a gozar comigo. Uns 10 minutos antes de ver este episódio tinha afirmado o seguinte ” A Madhouse as vezes desilude um bocado, e a maioria das vezes a culpa é da animação meio manhosa”…Bem agora a Madhouse fez tudo MENOS desiludir!

A história é simples, uma rapariga que quer voltar a jogar um jogo que tanto adora, bastante simples até e muito por onde pegar. Pelo primeiro episódio repara-mos que as coisas não são tão fáceis quanto parecem e que a relação entre as personagens é mais complexa do que simples amigos que têm o mesmo hobby, portanto e pelo que deu para ver, parece-me que vamos ter algumas surpresa ao nivel do plot e que esta série ainda vai ter muito para dar.

Em aspectos mais técnicos, como já referi a animação não é razoável (quero dizer que é melhor que a média das animes da Madhouse – não falo claro de Summer Wars – mas não é uma coisa do outro mundo). Os cenários são interessantes e o character design não é nada que nunca se tenha visto, mas gostei e acho que se adapta ao estilo de série. Outro aspecto que quero referir a é Opening, que me deixou com “agua na boca” e foi o que me levou a sacar o episódio.

Acho que promete, não digo que vá ser uma coisa espectacular, mas sem dúvida que irá valer apena acompanhar.

Kisaragi Saya é uma rapariga com um talento formidável para o desporto, a sua capacidade física é fabulosa e nenhum dos suas colegas percebe como uma rapariga aparentemente normal consegue ter um talento tão extraordinário. Após a morte da sua mãe, Saya, ficou a viver com o seu pai num templo e como nenhum deles sabes cozinhar passam bastante tempo num restaurante perto cujo dono já é um amigo de longa data. Certo dia quando Saya chega a casa o pai indica-lhe que já é hora e da-lhe uma misteriosa espada. Saya imediatamente após receber a espada dirige-se a um lago onde está um estranho monstro que ela tem que derrotar.

Mais uma anime das ” Blood Series”, relembro e aviso para quem não sabe que não é necessário ver Blood + ou Blood: The Last Vampire para ver Blood-C, apesar de pertencerem a mesma série e o setting ser semelhante são animes completamente independentes uma das outras.

Quanto à história não há muito para dizer por enquanto, acho que pode posso dizer que estou ansioso pelo próximo episódio, por alguma razão fiquei com imensa vontade de continuar a ver.  A história tem potencial, agora podem transformar isto numa anime de porrada, sem grande história e muita luta ou algo mais sombrio, mais psicológico e com luta à mistura, por enquanto acho que o que vi da anime dava para fazer algo mais sombrio e tenho esperança que saia qualquer coisa assim, mas vamos ver, espero que não saia desiludido lol.
Em termos técnicos é de salientar que o character design é cortesia das CLAMP, portanto não há mais nada a acrescentar, o bom e velho estilo das CLAMP :p
No que diz respeito ao visual dos cenários, parece engraçado, sem grande detalhe por enquanto mas o que deu para ver não estava nada mau, portanto se continuar assim já vai no bom caminho. A animação é fluída, mas não é nada por ai além, é de notar que se nota uma melhoria considerável quando há a batalha entre a Saya e o “monstro” por um lado é bom porque temos uma boa cena de acção, por outro lado é mau porque não é consistente ou seja vamos estar sempre a espera de ver uma luta para termos um bom momento de animação. A banda sonora como é óbvio depende do gosto de cada um, mas eu não achei má de todo. Portanto em jeito de conclusão, acho que vale apena dar uma vista de olhos e acho que vai ser uma anime interessante para se acompanhar durante o Verão.

O calor parece que vem finalmente a caminho, e com ele novas animes! Entre elas encontram-se algumas muito aguardadas sequelas.  Como sempre, este post será actualizado à medida que surgem novas informações =)

* post realizado em conjunto pela Maharet e pelo Zero

(more…)

Peter Drucker é considerado o pai do modern management. Kawashima Minami é uma rapariga do secundário que apesar de odiar basebol vê-se na posição de ter que assumir o comando da equipa da escola, quando a sua melhor amiga e treinadora da equipa ( Miyata Yuuki) é hospitalizada. A tarefa não será assim tão simples para Minami, porque a equipa está em pessimas condições, os jogadores desmotivados e poucos aparecem nos treinos, mas o que será que irá acontecer quando Minami aplica as teorias de Peter Drucker de management empresarial a sua equipa de basebol?

Uma estreia tardia nesta temporada de primavera, mas não deixou de ser uma estreia com uma ideia interessante. Apesar de ser a segunda anime desta temporada com um fundo que aborda temáticas de gestão e economia, esta pareceu-me mais engraçada que [C] The Money of Soul and Possibility Control.

Em primeiro lugar as personagens, logo no primeiro episódio percebemos parte do passado que algumas delas e o porque de se encontrarem nesta situação actual, por enquanto ainda não se viram muitas, porque muitos dos jogadores da equipa de basebol não foram mencionados, mas suponho que futuramente os iremos conhecer. As personagens parecem ser minimamente interessantes até ao momento, portanto é um ponto a favor. Em termos técnicos, temos uma animação razoável, não é má mas também está longe de ser muito boa, visual é agradável principalmente os backgrounds, o character design não é nada por ai além mas não é mau de todo. No que diz respeito às vozes das personagens podemos contar com a presença de Youko Hikasa ( Mio de K-On!) e Kana Hanazawa ( Zange de Kannagi, Kuroi Mato de BRS, Suou de Darken Than Black ou Touko Amano de Bungaku Shoujo).

Concluindo, não é uma anime por ai além pelo o que parece até agora, mas uma anime descontraída com uma história que pode ser interessante, se não virem provavelmente não perdem muita coisa, mas aconselho a darem uma vista de olhos.

Rin Okumura é um rapaz que abandonou a escola antes de entrar para o secundário, porque não tinha vontade de estudar, como tal decidiu ir trabalhar só que, ele também não consegue trabalhar porque é sempre despedido por ser desajeitado, não cumprir os prazos ou simplesmente não lhe apetecer trabalhar. Na Igreja onde vive é confrontado com uma realidade oposta, cheia de pessoas que trabalham arduamente, principalmente o seu irmão Yukio. Quando decide que já é hora de parar de ser inútil e trabalhar a sério, uma estranha criatura que roubou um cachecol a uma rapariga causa-lhe ainda mais problemas…mas os seus verdadeiros problemas só começam quando acorda na manhã seguinte e vê pequenas criaturas que andam a voar pela cidade e é confrontado com um verdadeiro demónio, que lhe revela a verdadeira identidade de Rin e as suas origens.

A primeira coisa que pensei foi “mais um Shounen”, mas no final do episódio até me pareceu bastante interessante. Para começar gostei do setting e das personagens, acho que a história tem potencial, mas como nunca li a manga não sei o que se irá suceder, portanto irei esperar para ver, mas por agora tem nota positiva. Mas, nunca fiando muito nestes shounens que muitas vezes começam bem e depois toca de ver tudo quanto é cliché.

Gostei da animação, nada do outro mundo, mas está boa. O visual é engraçado, principalmente as personagens, nos cenários ainda não se notou grande detalhe, o básico por enquanto, mas a visão das pequenas criaturas pela cidade estava bastante fixe, portanto acho prometedor. Nos que diz respeito a banda sonora ainda não tivemos muita coisa por onde julgar, mas do que vi até agora não parece má, mas também não me soou a nada de especial, quanto a seyuus temos alguns nomes sonantes como Jun Fukuyama (Lelouch de Code Geass).

Em conclusão, dêem uma vista de olhos, por enquanto não me cheira a nada por ai além, mas nunca se sabe xD

Rintarou Okabe é um cientista louco e lider de um grupo de 3 pessoas chamado Steins; Gate, grupo esse que se dedica a estudar os fenómenos de microondas e viagens no tempo. Quando Okabe e Mayuri (que também pertence ao grupo) estão num edifício à espera de uma conferência sobre viagens no tempo, eventos estranhos acontecem como aparecer uma rapariga de seu nome Kurisu que conhece Okabe mas ele não se lembra dela e um satélite cai no prédio.Vários acontecimentos se sucedem até que Okabe descobre tais eventos, que ele próprio viveu, só iram acontecer no futuro.

Como provavelmente já devem saber, Steins; Gate passa-se mais ou menos 1 ano após os acontecimentos de Chaos; Head – sim, eu provavelmente já sei o que estão a pensar – e pelos vistos 1 ano de separação na anime e 3 anos de separação na vida real fizeram muito bem!

Em primeiro lugar vou começar pela história, apesar de Chaos; Head até ter tido potencial e poderia ter sido bastante melhor, Steins; Gate tem pano para muito mais mangas e logo pela primeira metade do episódio vemos isso. Espero que continue assim com mistura e acção rápida, porque sinceramente o setting da história parece interessante, portanto vamos lá ver se desta vez a parceria Frontier Works – Nitroplus faz bastante melhor que a MadHouse – Nitroplus.

Quanto aos aspectos técnicos, temos uma animação razoável (bastante melhor que Chaos; Head), uma banda sonora razoável e a presença de alguns seyuus conceituados como Mamoru Miyano ( Light, Death Note), quando a termos visuais, o char design é apelativo mas os cenários e backgrounds parecem até ao momento não ter nada de especial. Mas uma grande evolução em relação a Chaos; Head com já referi inúmeras vezes.

Para quem ficou com a sensação que odiei Chaos; Head, engana-se…tenho um sentimento misto. É como um guilty pleasure, sei que é mau! Mas mesmo assim não consigo deixar de ter achado engraçada quando a vi, portanto não me perguntei porque, porque também não sei, mas aconselho a verem Steins; Gate porque acho que vem ai uma série não brutal por enquanto, mas com potencial!

Já ansiosos pela Primavera, por mais calor, mais sol e novas animes.  Como sempre, este post será actualizado à medida que surgem novas informações =)

* post realizado em conjunto pela Maharet e pelo Zero

(more…)

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.